segunda-feira, 7 de junho de 2010

Atelier de bolso #6

Enquanto não me reaproximo da pintura em sua forma tradicional (pincel, tinta, suportes...), seguem mais algumas experiências intercalando os apps Pollock e Brushes no iPhone. Um, permite o gestual e o imprevisível; o outro, as texturas, o diálogo das cores.




6 comentários:

  1. Independente do suporte utilizado (tradicional ou "eletrovirtual"), o mais importante nesta série que ouso chamar de impressões d'alma, é justamente a riqueza de sensações impregnadas. A despretensiosa arte que emociona pelo uso das cores e empolga pela energia que se irradia. Resumindo: dá orgulho estar ao lado deste mineiro brilhante!

    ResponderExcluir
  2. putz cara,
    além da genialidade da camera ainda manda bem na pintura....
    Que cara genial...
    Parabéns. Valéria Zanetti

    ResponderExcluir
  3. Agradeço aos generosos amigos.

    ResponderExcluir
  4. Oi Fernando da Chácara do Visconde, vizinho do Sítio! Legal te rever por aqui. Abração

    ResponderExcluir
  5. oi, que legal essa história de pollock (um dos meus preferidos) no i-phone!gosto mais no primeiro.zg

    ResponderExcluir

Após moderação, o seu comentário será publicado nesta postagem. Obrigado pela visita.