sexta-feira, 11 de junho de 2010

Laurie Anderson

Às vésperas de começar algumas práticas de gravura usando ferramentas e suporte tradicionais, no atelier do amigo George Gütlich (ok, zg, vc venceu!), recebo um livro aguardado há semanas: Night Life. Laurie Anderson é sua autora e ela me fascina desde os anos 1980 quando nos empolgou com O Superman – música crítica-minimalista-sintética-mântrica ...
Em 2005, Laurie Anderson fez uma série de shows solo que chamou de The End of the Moon. Grande contadora de histórias, diz que naquela temporada começou a ter sonhos muito vívidos e instigantes. "I began to draw my dreams literally out of self-defense".
Armada de um computador e tablet colocados ao lado de sua cama, nos hotéis, ela acordava no meio da noite e registrava os sonhos de maneira imediata, sem procurar interpretar ou pensar nos seus significados. Os desenhos e pinturas resultantes desse processo estão em Night Life, acompanhados de pequenos textos prosa-poéticos relativos ao sonho.
Laurie Anderson, artista da vanguarda multimídia no tempo em que ainda nem sabíamos muito bem a abrangência desta palavra (hoje fora de moda), continua a me inspirar. Fico pensando sobre a importância de se dominar a técnica tradicional da gravura (ou demais técnicas) para chegarmos a uma expressão artística, face à urgência existencial de registrarmos as imagens que habitam nossos sonhos. Interessam-me os gadgets, as tablets, os Macs porque eles me permitem a urgência. Os suportes e ferramentas tradicionais – tintas, grafite, goivas, metais e suas alquimias, ocupam o espaço atemporal das virtuoses. Formam uma espécie de bússola que nos ajuda na viagem, que exige disciplina e paciência para ser construída. Precisamos dos dois – me diz Laurie Anderson com sua música, seu desenho.

01.02.2005 – "The Hudson River is calm today ruffled by only a few whitecaps. I turn my head for a second. When I look back everything's chaos."


17.04.2005 – "In a deserted hotel lobby a fox is pleading with a corpse. The fox is sobbing, 'I loved you! I always loved you!' I'm thinking, 'You know, there's something really fake about that fox'. My brother stands in the doorway taking photographs."



08.06.2005 – "I'm trying to cut pearls into small pieces but they keep skidding out from under the knife. When I cut them with scissors they pop and scatter. Some of them are obviously fake. Some seem like they might be quite valuable."

4 comentários:

  1. Bom 'ouvir' e 'ver' tuas letras novamente. mada Bala!!

    ResponderExcluir
  2. oi, vc bem poderia postar um trechinho do som... viva os multimidias! abrs

    ResponderExcluir
  3. Obrigado pela visita e incentivo, Pasquarelli! Zeguile, quero mesmo colocar som no blog, mas ainda não descobri como... a não ser com um link externo, acho. Abração!

    ResponderExcluir
  4. Às vésperas de começar algumas práticas de gravura usando ferramentas e suporte tradicionais... revele as coordenadas!!!!zg

    ResponderExcluir

Após moderação, o seu comentário será publicado nesta postagem. Obrigado pela visita.